Acontece no Clube

Inauguração

2019-07-21T18:31:46-03:0009/05/2018|

Domingo, dia 6 de abril. Nesta data foi inaugurado o Marco do Centenário do Clube: uma rocha calcária com mais de oito toneladas vinda da região Palmira, na Síria. A rocha foi extraída da mesma jazida de onde saíram as pedras da cidade histórica de Palmira e foi um presente do governo sírio.

Discursaram durante a cerimônia o Comitê do Centenário da instituição, Roberto Cabariti; o cônsul geral da Síria em São Paulo, Sami Salameh; o Presidente do Conselho Superior de Administração do Sírio, Marcelo Audi Cateb e o presidente do Esporte Clube Sírio, Fabio Kadi. “Tenho certeza que eles sabiam que hoje estaríamos aqui comemorando o sonho deles”, comentou o presidente Kadi.

A cobertura completa do evento, com todos os detalhes deste sonho que se tornou realidade, estará na próxima edição da revista Syrio. A revista será entre no endereço dos associados titulares na primeira semana de junho.

Aguardem!

Logotipo do Centenário

2019-07-21T18:34:13-03:0020/02/2017|

Com a participação de 36 concorrentes, que apresentaram um total de 58 trabalhos, o Concurso de Criação Artística do Logotipo do Centenário do EsLOGOTIPO VENCEDORporte Clube Sírio revelou vários talentos do design gráfico entre os associados do Clube e um vencedor, cujo trabalho foi escolhido por unanimidade pelo júri.

Participaram do Concurso somente associados do Sírio que desenvolveram suas criações entre abril e julho de 2016. Para a seleção dos trabalhos finalistas e escolha do vencedor, a Comissão do Centenário convidou cinco personalidades de destaque nas áreas de comunicação, publicidade, design e artes plásticas. Compuseram o júri Roberto Duailibi, presidente do Conselho de Administração da agência DPZ&T; Maria Del Mar Reyes, coordenadora do curso de Publicidade e Propaganda da FAAP (Faculdade Armando Álvares Penteado); Norberto Chamma, sócio-diretor da agência de criação UNdesign; Mauro Halluli, arquiteto do Escritório de Arquitetura Edo Rocha e o artista plástico Alexandre Reider.

O trabalho vencedor é de autoria do associado Mauro Villas Bôas, premiado com duas passagens aéreas de ida e volta a Nova York. O segundo lugar coube a Ana Cristina Suriani e o terceiro ao associado Alexandre Vergueiro da Costa.

O logotipo vencedor, que simboliza o Centenário do Esporte Clube Sírio, estará presente em todos os materiais de comunicação interna e externa, nos uniformes esportivos, selos, carimbos, medalhas comemorativas e demais itens que farão parte da grande divulgação do centésimo aniversário do nosso Clube, em 2017.

Mauro Villas Bôas_site

Mauro Villas Bôas tem 45 anos, é casado com Giovanna e tem 3 filhos, todos sócios do Clube Sírio. Não se lembra desde quando faz desenhos e ilustrações, provavelmente desde que pegou num lápis. Formado em Publicidade na ECA/USP, com especialização em Cinema, Vídeo e Fotografia, trabalha como diretor de arte na agência de propaganda WMcCann, onde já criou para grandes marcas como Coca-Cola, GM, Bradesco, MasterCard, Tim, etc. Também atua como ilustrador, professor da ESPM, e recentemente aceitou o desafio de dirigir o departamento de Marketing do Sírio. E no meio de tudo isso sempre tenta arranjar um tempinho para vestir um quimono e treinar judô no clube.

 

Foto Concurso 03

OLHO NA CRIANÇADA

2019-07-21T18:34:42-03:0004/10/2016|

arte-olho

 

 

Não existe ninguém mais atento e preocupado
com as crianças do que os pais.
Mas é sempre bom rever algumas regrinhas
básicas pra gente ter mais um verão
delicioso e tranquilo aqui nas piscinas do clube:

 

 


FIQUE SEMPRE PERTO DO SEU FILHO
– Crianças menores de 10 anos devem estar acompanhadas de seus pais
ou responsáveis durante a permanência na piscina. É lei.

CUIDADO
– Boias de segurança e flutuadores não são equipamentos de segurança;
– Evite brincadeiras próximas à piscina, pois elas atraem as crianças.

ATENÇÃO
– Fique 100% de olho no seu filho, mantendo a distância de um braço, mesmo
na presença de salva-vidas;
– Leve sempre a criança com você caso precise se afastar da piscina.

EVITE
– Aproximar-se de ralos e locais que possam sugar cabelos e partes do corpo;
– Ingerir bebidas alcoólicas antes de entrar na piscina;
– Competições de fôlego embaixo da água.

ATENÇÃO
– Siga estas regras simples e aproveite com mais tranquilidade as
piscinas do Esporte Clube Sírio.

Churrasco das Arábias

2016-05-05T11:16:56-03:0005/05/2016|

Nos últimos meses, o Sírio trouxe para os associados diversas novidades gastronômicas para rechear os finais de semana no Clube com muitas delícias da culinária internacional. E como não poderia faltar, todos puderam degustar e conhecer uma opção bastante enraizada na história dos povos árabes e, principalmente, da própria Síria.

Kebab, kabob, kebap, kabab, döner kebab, gyrus, shish kebab, kafta, kofta, kefta, michuí, souvlaki, chelo kabab, tas kabab… Enfim, o prato em questão pode ser encontrado com todos esses nomes e ainda mais
alguns outros, mas, para nós, Shawarma. Alguns significam espetos giratórios, outros, carne moída no espeto, arroz com carne, ou ainda carne de panela. A história mais conhecida, é a de que a palavra kebab, tenha origem turca, e significa “carne frita”. Somente em um segundo momento, ganhou a tradição de ser um grelhado, onde era consumido com pão árabe ou pão sírio por soldados em campanha, durante o império turco-otomano, pois assim a alimentação se tornou mais fácil e rápida, ou seja, o princípio do que temos como fast food.Shawarma

Hoje, o nosso Shawarma pode ser encontrado pelos quatros cantos do mundo, tornou-se popular exatamente por entrar no hall de comidas rápidas. No Brasil, principalmente em São Paulo, o prato está presente nas ruas em sua versão mais popular, conhecida como Churrasco Grego, que é servido no pão francês. Mas também pode-se achar em versões mais requintadas, tanto em restaurantes de culinária árabe, quanto em empreendimentos
especializados em fast food.

A título de curiosidade, o Shawarma também foi comentado no filme Os Vingadores (em inglês The Avengers) de 2012, em sua cena final. Acompanhe a programação do Clube e não perca a próxima oportunidade de degustar esse verdadeiro “churrasco das arábias”!

Um brinde ao pôr do sol

2019-07-21T18:35:39-03:0004/05/2016|

Quem nunca pensou em poder se reunir com os amigos, curtir boa música, dançar, se divertir, à beira de uma grande piscina? E somar tudo isso a uma privilegiada vista do pôr do sol paulistano?

Para realizar esse desejo e proporcionar aos associados um momento de descontração no coração do nosso Clube, o Departamento Social do Sírio, no dia 27 de fevereiro, realizou a primeira edição do projeto Sunset Party, evento que chegou para se firmar no calendário e se tornar mais uma tradição. Com direito a food trucks que atendiam aos diversos gostos gastronômicos e drinks especiais, o Dj convidado comandou a festa e colocou todos para dançar na área da Piscina Social.

Contando com um céu maravilhoso, os presentes ainda puderam apreciar um belíssimo pôr do sol entre amigos, deixando de lado toda a pressão e estresse da rotina. Foi um sábado que vai entrar para história construída ao longo desses quase 100 anos de trajetória. Um novo projeto que deixou um gosto de “quero mais” e já guarda centenas de expectativas para o que virá em suas próximas edições.

1° Biatlhon para jovens do Sírio

2019-07-21T18:37:06-03:0003/05/2016|

Para agitar o público jovem do Sírio, com organização do DEPAM, no dia 5 de março, foi realizado o 1º Biathlon. Com um circuito que envolveu diversas áreas do Clube, como a Piscina Coberta e Aquecida, o evento animou toda a galera que compareceu em quantidade expressiva. As provas, que contaram com as modalidades de natação e corrida, exigiu muito esforço de todos os participantes, que conseguiram completar todo o desafio com êxito.

No final, para abrilhantar ainda mais a competição, tivemos sorteios de camisetas e de uma bicicleta dobrável. E a grande sortuda do dia foi a atleta Isabela Achur Oliveira.

Patriarca Russo visita o Sírio em passagem pelo Brasil

2019-07-21T18:39:27-03:0003/05/2016|

 

No dia 21 de fevereiro, o Esporte Clube Sírio recebeu a ilustre visita do Patriarca Ortodoxo Russo Kirill, durante sua passagem pelo Brasil. Em almoço no Restaurante Social, oferecido em sua homenagem pelo Arcebispo Metropolitano, Dom Damaskinos Mansour, juntamente com o Conselho da Arquidiocese de São Paulo e todo o Brasil da Igreja Ortodoxa Antioquína, fez um pronunciamento e reforçou a necessidade de superar as diferenças para criarmos um mundo mais pacífico. Também afirmou o seu apoio pleno a Síria e ao seu povo, ao falar de sua viagem histórica a Damasco.

 

Além de sua visita à São Paulo, Kirill visitou Cuba, onde realizou um encontro histórico com o Papa Francisco, Paraguai e em nosso país também passou por Brasília e Rio de Janeiro. Antes de visitar o Clube, o Patriarca falou com diversos cristãos na Catedral Metropolitana Ortodoxa de São Paulo, a maior Igreja Ortodoxa na América Latina. Ainda, para registrar sua passagem pelo Sírio, o nosso Presidente, Fabio Kadi, entregou um quadro de honra como homenagem.

 

Clube de Vantagens Sírio

2019-07-21T18:36:57-03:0013/04/2016|

[logo-carousel id=clube-de-vantagens-sirio]

home-angels 300

– 10 % de desconto – Para os serviços contratados, ou com indicações dos associados do Esporte Clube Sírio; – Avaliação Gratuita – As avaliações diagnósticas serão gratuitas para os associados do Esporte Clube Sírio; – 20 % de descontos – Cursos livres de cuidadores de pessoas.

10% de desconto nos serviços

10% de desconto nos serviços

VL5 300

10% de desconto para seguros novos e 5% de desconto para renovações.

Danças Folclóricas da Síria – Você já conhece?

2019-07-21T18:37:34-03:0010/11/2015|

Dabke Casal

Aproximar o público do Clube da rica cultura dos povos árabes é uma grande missão, cumprida com diversos eventos, como as palestras e sessões de cinema, e, inclusive, as publicações na Revista Sírio. Nessa edição, o Núcleo de Cultura Árabe entrou no universo das danças folclóricas em uma conversa com a professora Marcia Dib.

 

Núcleo de Cultura Árabe – Como você ficou conhecendo as danças folclóricas da Síria?

Marcia Dib – Eu não imaginava que a Síria tivesse tantos tipos de dança! Só conhecia o dabke e a dança do ventre. E quando fui para lá percebi que existem muitas outras danças maravilhosas!

Fiz diversas viagens de estudo, percorrendo o País e fazendo aulas e estágios em grupos de danças folclóricas. Aprendi as danças e músicas das diversas regiões. Depois fiz uma dissertação de Mestrado em Cultura Árabe intitulada “A Diversidade Cultural da Síria através da Música e da Dança”. Para conseguir material teórico, fiz mais viagens de estudo para lá.

Quando voltei para o Brasil com todo esse material em mãos, decidi trabalhar com as danças folclóricas, para resgatar e divulgar este patrimônio tão rico. Montei grupos de dança, comecei a ensinar aqui no Clube e em diversos outros lugares.

 

NCA – Como as pessoas reagiram quando perceberam a riqueza artística da Síria?

Marcia – Em todos os lugares onde levo as danças, todos ficam encantados. Afinal, são danças muito diferentes entre si, cada uma mostrando o cotidiano de uma região da Síria. Mesmo os descendentes de árabes não conheciam as danças. Por isso, gosto muito de trabalhar com isto para divulgar cada vez mais nossa riqueza cultural!

 

NCA – Você poderia explicar um pouco quais os tipos de dança que existem na Síria?

Marcia – A Síria pode ser dividida, para fins didáticos, em quatro grandes regiões: uma linha de cidades paralela à costa do Mediterrâneo (Damasco, Homs, Hama e Alepo); as áreas rurais ao redor delas; as áreas desérticas, onde vivem os beduínos (pastores nômades) e a linha de cidades e vilas próxima ao Rio Eufrates.

Cada uma dessas regiões tem um tipo de música e de dança. O ambiente influencia muito o movimento, já que interfere na maneira de pisar, na amplitude dos gestos, no tônus muscular. Além do ambiente, a atividade praticada no dia-a-dia vai trazer elementos para a dança. E existem também as trocas culturais com as regiões vizinhas. Em todas as regiões da Síria há danças masculinas, femininas e mistas.

 

NCA – Como são as danças das áreas rurais?

Marcia – Nas regiões rurais as danças são alegres e dinâmicas, e possuem muitos movimentos parecidos com aqueles usados nas práticas rurais, como o trabalho na terra, a construção das casas e a defesa do grupo. Aí aparecem as danças com jarros, foices, escudos, peneiras, cestos, etc. São danças alegres, muitas delas vinculadas a festividades (como a colheita, por exemplo) e geralmente apresentadas com roupas parecidas com aquelas usadas no campo.

 

NCA – E no deserto?

Marcia – Nas áreas de deserto as danças são mais fortes, com gestos amplos (lembrando a amplitude própria do deserto) e passos firmes mas com molejo (por causa da areia). Como no deserto faz muito calor de dia e muito frio à noite, as danças possuem tanto movimentos diretos e rápidos (para aquecer no frio) quanto passos mais sinuosos (para não cansar no calor). Neste ambiente existem as danças com bastões (são pastores), punhais e espadas (são utilizados para defesa) e muitos movimentos ligados ao seu cotidiano (tecer, bater manteiga, etc.), além das danças em linha, como um estilo de dabke chamado Lala. As roupas, tanto dos homens como das mulheres, é larga e confortável, como as túnicas brancas ou pretas.

 

NCA – Quais as características das danças da região do Eufrates?

Marcia – Nas cidades próximas ao Rio Eufrates acontecem danças muito diferentes, agitadas, vibrantes, com influência iraquiana, curda e turca. Mesmo o dabke desta região é saltado (diferente do dabke de outras regiões). Aparecem muitos elementos presentes nas danças do Golfo Pérsico. As músicas também são bem dinâmicas, alegres e animadas. As roupas usadas nestas danças (quase sempre calça e túnica) têm cores vibrantes, talvez por influência da rota da seda.

 

NCA – E nas cidades, como são as danças?

Marcia – Nas cidades da linha paralela ao Mediterrâneo aparecem dois tipos de dança: as mais informais e populares (festas dentro das casas e nas praças, por exemplo) e as danças mais formais. O conjunto destas danças formais é chamado de Samah e não podem ser consideradas folclóricas porque não são populares, mas sim feitas por dançarinos contratados e praticadas dentro dos palácios e cortes. A Síria é famosa por seus conjuntos de Samah, que existem até hoje!

 

NCA – Realmente são muitos tipos de dança! Você tem ensinado todos estes estilos?

Marcia – Voltei das viagens à Síria com muito material, tanto teórico como coreografias e músicas. Desde então tenho ensinado várias pessoas a dançar toda esta variedade de estilos. E agora haverá uma ótima oportunidade: o Clube Sírio tem a intenção de montar um grupo para estudar e praticar estas danças. Será um grupo adulto, para homens e mulheres a partir de 14 anos. Quem tiver interesse pode entrar em contato comigo (marciadib@hotmail.com) ou com a Secretaria Social. Muito obrigada ao Clube pela oportunidade de divulgar nossa cultura!

As vantagens da atividade física nos idosos

2019-07-21T18:39:37-03:0010/11/2015|

Como ortopedista, recebo muitos pacientes idosos com queixas de dores no corpo todo: são as dores musculoesqueléticas generalizadas. Essas ocorrem pelo fato de o envelhecimento celular ocasionar uma desordem da homeostenose (perda de reservas orgânicas e funcionais, que é uma característica inerente do avançar dos anos), promovendo declínio estimado de algumas funções e maior vulnerabilidade a doenças em todo o corpo como as cardiovasculares, infecções, neoplasias e no caso da minha especialidade: as artropatias (dores nas juntas/articulações) e doenças degenerativas osteomusculares (dores nos ossos e músculos).

Na terceira idade, as dores articulares e degenerativas aumentam e ocorre a redução da capacidade funcional, por isso é importante manter a independência e prevenir a incapacidade, reabilitando e garantindo qualidade de vida com a prática esportiva. O processo natural de envelhecimento associado às doenças crônicas é o responsável pela limitação do idoso. Mas desde que bem orientado e medicado (quando necessário), a atividade esportiva ajuda a prevenir e melhorar as condições físicas e mentais do paciente geriátrico.

Com o intuito de permitir comparações mais diretas entre os países, a Organização Mundial da Saúde considera idoso e tem normatizado a idade de 65 anos. Nesta fase da vida é importante focar sempre na prevenção, pois nem sempre o indivíduo irá manifestar sintomas de doenças – até o idoso aparentemente saudável requer cuidados, pois as manifestações nesta faixa etária são atípicas e subclínicas; os sintomas são inespecíficos e geralmente não relatados. O início é insidioso e é muito fácil “perder” um diagnóstico já que nessa faixa etária o paciente tende a aceitar e achar que é natural do envelhecimento ter tantas dores e acaba demorando a procurar ajuda, além de não praticar mais esportes (o que deveria acontecer exatamente ao contrário).

As principais ocorrências de dores no idoso são:

Artrose: Também chamada de osteoartrose ou processo degenerativo articular, resulta de um processo anormal entre a destruição cartilaginosa e a reparação da mesma. O estado de hidratação da cartilagem e a integridade da mesma é fator preponderante para o não desenvolvimento da artrose.

Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta duas vezes mais mulheres do que homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.

Bursite: Doença ortopédica caracterizada pela inflamação da bursa, uma bolsa cheia de líquido, existente no interior das articulações, cuja finalidade é amortecer o atrito entre ossos, tendões e músculos. A bursite pode acontecer em qualquer articulação (joelhos, cotovelos, quadris, etc.), mas é mais comum no ombro, devido ao uso e esforço repetitivo na articulação.

Traumas ortopédicose quedas: são lesões associadas à um traumatismo direto (fraturas, luxações e contusões), geralmente ocorrem devido a quedas e até mesmo falta de equilíbrio muito comumente relacionados à senilidade, ou, traumatismos indiretos como entorses ou dores por esforços repetitivos (tendinites, fasceítes, etc).

Nós especialistas temos alguns medicamentos que aliviam as dores articulares, favorecem a mobilidade e permitem que o idoso consiga praticar atividades físicas e diárias com melhor agilidade, prevenindo assim o sedentarismo e imobilidade, muito comum na idade devido às dores.

Mas e a atividade física? Onde entra?

Atividade física e exercícios podem ajudar a permanecer saudável, com energia e independente à medida que envelhecem. Muitos adultos com idades entre 65 anos ou mais, gastam em média, 10 horas ou mais por dia sentado ou deitado, tornando-os o grupo etário mais sedentário ainda mais se as dores musculoesqueléticas da degeneração já estiverem acompanhando-os.

Eles estão pagando um alto preço por sua inatividade, com maiores taxas de quedas, obesidade, doenças cardíacas e morte precoce em comparação com a população em geral. Conforme envelhecemos, torna-se ainda mais importante para permanecer ativo que nós médicos orientemos o paciente a praticar esportes se quiserem permanecer saudáveis e manter a sua independência, pois se não ficarem ativos, todas as coisas que sempre gostavam de fazer podem começar a ficar um pouco mais difícil e dolorido.

O paciente muitas vezes luta com dor para conseguir ter prazeres simples, como brincar com os netos, andar nas lojas, praticar atividades de lazer simples e encontrar com amigos, mas se começar a ter dores e dores que nunca teve antes, terá menos energia para sair além de também estar mais vulneráveis ​​a cair. Isso tudo pode levar a ter menos capacidade de cuidar de si mesmo e fazer as coisas que gosta.

Fortes evidências

Há fortes evidências de que as pessoas que estão ativas têm um menor risco de doença cardíaca, acidente vascular cerebral, diabetes tipo 2, alguns tipos de câncer, depressão e demência. Do ponto de vista ortopédico melhora a mobilidade articular, alongamento e flexibilidade, isso sem falar na resistência física e muscular que melhora com a prática esportiva.

Se você não tem dor, e faz esportes, irá reduzir o risco de doença mental, e ser capaz de sair e ficar bem independente na velhice, que são aconselhados sempre a manter em movimento pode começar com uma simples caminhada diária de 15 minutos, ou 3 vezes por semana de 20 minutos. Obviamente esses valores terão que ser adequados a cada perfil e indicado desde você tenha condições de faze-lo, dando pelo menos esse princípio já podemos considerar que você saiu do sedentarismo.

É simples assim. Há muitas maneiras de manter-se ativo, pois conforme as pessoas envelhecem e seus corpos declinam a função, a atividade física ajuda a retardar essa degeneração, inclusive podemos falar em até progressão, ou seja, conforme envelhecem com o passar dos meses o condicionamento melhora e podem até ser intensificados.

 

Dra. Ana Paula Simões / CRM-SP 108667 / www.anapaulasimoes.com.br

Professora instrutora e mestre em Ortopedia e Traumatologia do Esporte da Santa Casa de SP, membro Internacional e Nacional das Sociedades de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé e Diretora da Sociedade Paulista de Medicina Esportiva.

Tradição servida à mesa

2019-07-21T18:37:44-03:0010/11/2015|

arak2

Em cada canto do planeta, em cada país, podemos encontrar e destacar diversas bebidas tradicionais de regiões específicas, mas que por seus sabores e aromas conquistaram o globo e podem ser encontradas e apreciadas por todos. O universo árabe, com toda sua riqueza cultural, também possui o seu representante e que a cada geração se populariza um pouco mais, principalmente pelo reconhecimento e consumo das diversas colônias de imigrantes espalhadas pelo mundo.

Estamos falando do Arak, bebida milenar, oriunda do Oriente Médio e que criou e influenciou diversas histórias até aqui no Brasil. Importada por imigrantes, devido ao seu alto teor alcóolico, mais de 45%, possui um potencial bastante inebriante, que os adeptos desatavam a falar bobagens logo nos primeiros goles, então tudo o que é relacionado à mentira, lorota ou falsidade, ficou conhecido em nosso país como “de araque”. Justamente por isso, os conhecedores mais profundos alertam que jamais se deve tomá-lo puro e a sugestão é que para cada copo da bebida, pelo menos dois terços sejam de água e apenas um do concentrado incolor.arak1

Muitas pessoas preferem adicionar gelos, ao clássico estilo “on the rocks”, e ao realizar essa mistura é que a “mágica” do Arak
acontece. O líquido transparente, que o nome vem do árabe “suor”, torna-se turvo, leitoso, e justamente por isso também é conhecido como “leite de leões” ou “leite de camelos”. Essa verdadeira alquimia, que se dá ao uso da semente de anis, ou erva-doce, com sabor e odor agridoces intensos, é o fator que tem tornado o drinque famoso pelo mundo, inclusive conquistando o paladar dos brasileiros.

Há cerca de quatro mil anos atrás, os egípcios foram os primeiros a produzir o Arak. Cultivando o anis, descobriram que ao adicionar as sementes ao suco destilado de uvas, o resultado final era uma bebida alcóolica bastante forte e com sabor de alcaçuz. E assim a bebida foi se disseminando entre os povos árabes, tornando-se tradicional em países como a Síria, o Líbano, a Palestina, Israel, Jordânia e Iraque. Porém, por volta do século VII, com o surgimento do Islã e os muçulmanos proibidos de consumir álcool, essa tradição passou por um momento de ostracismo. O licor passou, então, a ser mais apreciado pelos cristãos ou pessoas ligadas a outras religiões.

Hoje, o drinque está presente em locais mais requintados, servido como bebida exótica em boates e restaurantes de alto padrão. Sua produção tradicional, que conta com refino triplo, começa com a colheita de uvas claras, que não passam por irrigação, crescendo sob o sol e o clima mediterrâneo. Os frutos são colhidos entre os meses de setembro e outubro, amassados e, juntamente com o suco, armazenados em barris de cobre pelo período de 21 dias. Após esse tempo o anis é adicionado, momento da segunda destilação. É destilado pela terceira vez em baixas temperaturas e depois é armazenado para o envelhecimento, muitas vezes em vasos de cerâmica, por mais 12 meses.

O Arak também pode ser preparado com tâmaras, ameixas, damascos e maçãs. Atualmente, por ganhar versões aromatizadas e modernizadas, tem registrado grande aumento do seu consumo. Ainda podemos ressaltar que essa bebida circundada por tantas histórias curiosas, também é reconhecida por seus poderes medicinais, seja para dores de dente ou resfriados, o ato de degustação possui fortes laços com aspectos de saúde.

 

Novos horários Bares e Restaurantes

2015-06-18T13:08:20-03:0009/06/2015|

A partir de 9 de junho de 2015 (terça-feira), novos horários de funcionamento dos seguintes Bares e Restaurantes:

Bela Vista Bar
Terças a sextas-feiras: 15h às 23h
Sábados e domingos: 10h às 19h

Sala Damasco
Terças a sextas-feiras: 15h às 20h
Apenas como Sala de Leitura, sem vendas de alimentos e bebidas.
Sábados e domingos: 10h às 19h
Com serviço de venda de alimentos e bebidas.

Bar Esportivo e Bar Aperitivo
Terças a sextas-feiras: 8h às 23h
Apenas com serviço de balcão, sem garçons.
Sábados e domingos: 8h30 às 20h
Com serviço de garçons.

Restaurante Esportivo
Aberto diariamente, sem autorização nos horários de funcionamento.
Terças a sextas-feiras: 11h30 às 23h30
Sábados, domingos e feriados: 8h30 às 20h
Serviço de Buffet: 12h às 16h .

Buffet Social (domingos)
Funcionamento até 14/6/15
Reabertura em agosto/15

Arteterapia no Clube

2015-06-23T14:03:21-03:0021/05/2015|

Embarcando na nova tendência de livros de desenhos para colorir voltado ao público adulto, com imagens bastante elaboradas que vão desde paisagens a mandalas, o Departamento Cultural do Sírio preparou uma grande novidade para os associados que gostam de atividades artísticas. No dia 8 de maio, em uma aula bastante divertida, elaborada pela professora Rose Korb, as participantes puderam experimentar os benefícios da arteterapia, só que substituindo os lápis de cor e o papel por tintas aquarela e tela.

Com um resultado extremamente surpreendente, a ocasião se consolidou como um grande sucesso e aguçou a criatividade das alunas, além de se apresentar como uma ótima alternativa para tornar a rotina do dia-a-dia mais leve e agradável. Confira abaixo os melhores momentos dessa oficina de artes com ênfase na arteterapia.

1º Torneio Interno de Vôlei de Areia

2015-05-21T11:34:17-03:0021/05/2015|

Ampliando o leque de opções para os associados, fãs de voleibol, colocarem suas habilidades à prova, o Departamento de Esportes realizou, no dia 9 de maio, o 1º Torneio Interno de Vôlei de Areia. O evento contou com a participação de oito equipes, compostas por quatro atletas cada, e ainda com o patrocínio da empresa Carbon14, que trouxe ótimos prêmios para os vencedores. A equipe que se consagrou como grande campeã dessa primeira edição foi a formada pelos jogadores Lino Almeida, Michel Ayoub, Renata Delbolsque e Adriana Mendonça.

Boot Camp: treinamento linha dura no Sírio

2015-05-21T11:20:58-03:0021/05/2015|

Nos últimos anos surgiram diversas novidades no que diz respeito a treinamentos físicos, para que o público, preocupado em manter o corpo saudável e em forma, tenha opções diferenciadas que não envolvam as séries em aparelhos de musculação. Dessa maneira, atividades baseadas em exercícios funcionais tem alcançado cada vez mais destaque, um grande exemplo que tem feito muito sucesso, inclusive entre as mulheres, é o Boot Camp. A modalidade é inspirada nos treinos militares e possui a proposta de trabalhar o corpo inteiro em um grande circuito de uma maneira mais dinâmica e divertida. Uma ótima oportunidade para quem não se adapta muito bem às opções tradicionais que encontramos nas academias.

Seguindo essa nova tendência, a equipe do Departamento de Esportes, no dia 11 de abril, convidou os associados para sair um pouco da academia e encarar um desafio ao céu aberto. Com um circuito especial preparado, o qual foi composto por estações com exercícios desde abdominais e séries de socos, até uma versão mais leve de rastejar sob obstáculo (no caso dos militares, sob o arame farpado), o evento chamou a atenção do público, que por sua vez completou todas a vagas disponíveis na aula. Destaque para o público feminino, que marcou presença e enfrentou todas as séries com muita energia.